sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

J. D. Salinger, um bom começo.

O solitário escritor J. D. Salinger morreu aos 91 anos. O primeiro parágrafo do seu Apanhador em Campo de Centeio, que vendeu milhões de exemplares e influenciou gerações, é antológico.

O apanhador no campo de centeio (J. D. Salinger): "Se querem mesmo ouvir o que aconteceu, a primeira coisa que vão querer saber é onde nasci, como passei a porcaria da minha infância, o que os meus pais faziam antes que eu nascesse, e toda essa lenga-lenga tipo David Copperfield, mas, para dizer a verdade, não estou com vontade de falar sobre isso. Em primeiro lugar, esse negócio me chateia e, além disso, meus pais teriam um troço se contasse qualquer coisa íntima sobre eles. São um bocado sensíveis a esse tipo de coisa, principalmente meu pai. Não é que eles sejam ruins ― não é isso que estou dizendo ― mas são sensíveis pra burro. E, afinal de contas, não vou contar toda a droga da minha autobiografia sem nada. Só vou contar esse negócio de doido que me aconteceu no último Natal, pouco antes de sofrer um esgotamento e me mandarem para aqui, onde estou me recuperando."

Leia mais no Estadão (Ubiratan Brasil) e no Globo (José Castello). Muito mais no NYTIMES,

2 comentários:

Silvana Tavano disse...

Por uma dessas coincidências engraçadas, estou lendo o “Nove Estórias”´ nas últimas semanas. Fiquei chapada com o conto “Um Bom Dia Para os Peixes-Bananas”.
Obrigada pelo texto.

Silvana Tavano disse...

Corrigindo: o nome do conto é "Um Dia Ideal Para os Peixes-Banana" (Editora do Autor, tradução de Jório Dauster, 1969).
beijo